Outra imagem da minha família – Rosalina também já partiu para a eternidade

Da direita para a esquerda desta foto, a segunda pessoa que se vê, é a Rosalina. Casada com Henrique, que está a seu lado esquerdo, era irmã adotiva de minha mãe. Pouca diferença tinha da minha idade. Crescemos juntos, fizemos o curso primário na mesma época e na mesma escola.

Rosalina formou uma família e a ela dedicou-se durante toda a vida como mãe atenciosa e depois como avó acolhedora e carinhosa. A vida trouxe-lhe muitas e grandes alegrias. De outro lado, aprontou-lhe diversos dissabores, que os superou sempre com espirito de oração e de fé.

Nos últimos anos da sua vida participava intensamente da sua comunidade paroquial, dedicada a Santa Paulina. Levava consigo a família, que assumia ministérios sobretudo na vida litúrgica da comunidade eclesial.

 Num certo momento da sua vida, foi-lhe diagnosticada uma  leucemia. Aliada à diabetes, desafiavam ainda mais seu espírito de fé e oração. Verdadeira cruz assumida cada dia e por uma meia dúzia de anos. Foi internada diversas vezes para tratamento intensivo e de urgência. Certa ocasião, tive a oportunidade de visitá-la no Hospital de Itajaí.

Rosalina não desanimou, jamais. Com a oração frequente do terço, a santa comunhão que recebia dos ministros extraordinários da comunhão, com a constante leitura da bíblia e o conforto/testemunho de muitos familiares e amigos, ia se nutrindo espiritualmente.

Até que chegou o momento em que seu organismo não mais resistiu à evolução das doenças. Em setembro de 2011, Rosalina deixou este mundo para ir morar na casa do Pai.

Pessoalmente, diante da partida de pessoas tão próximas, aprofunda-se também reflexão sobre a minha vida. Meu irmão Maximino paritu há pouco, no dia 23 de fevereiro último. Um cunhado, o Gregório, há 7 anos, igualmente e de forma muito repentina, se foi

A gente sente que a pegunta a respeito da vida fica cada vez mais insistente. Daqui a pouco, serei também eu chamado. E como está a minha vida? Meu amor a Deus, aos irmãos, à natureza que me cerca? Pois a matéria do meu inevitável julgamento é esta: o amor. O amor que passa pela reconciliação comigo mesmo e com os outros. Alguém me fazia entender, nesses dias, que viver é construir relacionamentos. Relacionamentos em Deus com as pessoas que nos cercam, com aquelas que encontramos pela internet, com a família, com todos os seres criados por Deus.

Rezo hoje para que, no tempo que me resta, não perca tempo de preparar a minha eternidade. Os momentos da vida terrena são fugazes, são nada diante da eternidade que nos espera.

Anúncios

Sobre ralk

Sou evangelizador, trabalho na Diocese de Blumenau nos setores de Comunicação e Ecumenismo.
Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s