Dilatar o coração – Chiara Lubich

Precisamos dilatar  coração até a grandeza do coração de Jesus. Quanto “trabalho”! Mas é o único necessário. Feito isto, está tudo feito. Trata-se de amar cada um que passa ao nosso lado, como Deus o ama. E, uma vez que estamos no tempo, amemos ao próximo um de cada vez, sem conservar no coração resíduos de afeto pelo irmão encontrado um minuto antes. Afinal é o mesmo Jesus que amamos em todos. Mas se permanecer o resíduo, quer dizer que amamos a nós mesmos no irmão precedente ou amamos por ele mesmo… não por Jesus. E aí está o mal.

A nossa obra mais importante é conservar a castidade de Deus, ou seja, conservar o amor no coração, amar como Jesus ama. Portanto, para ser puro, não é necessário sufocar o coração e nele reprimir o amor. É preciso dilatá-lo à medida do coração de Jesus e amar a todos. E, como é suficiente uma Hóstia Santa entre os bilhões de Hóstias para nos alimentarmos de Deus, basta um irmão (aquele que a vontade de Deus põe ao nosso lado) para colocar-nos em comunhão com a humanidade, que é Jesus místico.

E pôr-nos em comunhão com o irmão é o segundo mandamento, aquele que vem logo depois do amor de Deus, do qual é expressão.

(Extraído do livro “Escritos Espirituais”, Chiara Lubich,  vol. I, 1983, pág. 17, Editora Cidade Nova, São Paulo)

Anúncios

Sobre ralk

Sou evangelizador, trabalho na Diocese de Blumenau nos setores de Comunicação e Ecumenismo.
Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s